Sobre o Numero da Besta 666

O código de barras padrão UPC, o primeiro e mais comum visível em revistas a até latas de sardinha tem três 'barras guia' mais longas, uma de cada lado e uma no meio. Estes guias parecem significar nada menos que 6, 6 e 6, ou seja, todo código de barras teria o 'número da besta' 666.
Será mesmo?
De um ponto de vista técnico, as coisas não são assim. Os três guias não equivalem a 666. O guia da esquerda significa B, o do meio M e apenas o da direita realmente vale 6. Isto porque o código é diferente para as barras da direita e à esquerda, e a posição relativa é muito importante. A menos que o número da besta seja BM6, ele não está no código de barras, pelo menos do ponto de vista técnico.
Porém, como o próprio inventor do código de barras admite, as barras guias mais longas "de fato parecem o código para 6". O código de barras representa os número de 0 a 9, e como são dois códigos diferentes para cada lado, existem 20 combinações significativas no código UPC. Destas 20, apenas uma segue o padrão "barra, espaço, barra" (101) das barras longas e esta é justamente a que equivale a 6.
Portanto, é realmente uma coincidência interessante que de um ponto de vista humano seja possível enxergar 666 no código de barras uma vez que desejemos fazer isto, já que dos 20 códigos, o único que repete o padrão 101 é o que equivale a 6.
Coincidências acontecem, ao contrário do que os paranóicos acreditam. O próprio nome do inventor do código de barras, George J. Laurer é composto por 6 (George), 6 e 6 (Laurer) letras!