MALDIÇÕES DO HAWAII

Envolvida pela Tradição no Havaí
            Eu, Rebecca, cheguei a cair na armadilha de honrar divinda­des demoníacas, há vários anos, ao visitar o Havaí para dar palestras. Como todo aquele que já passou por lá sabe, a tradição é de se colocar uma guirlanda de flores em torno do pescoço de cada pes­soa que chega às ilhas. Ao visitar aquelas belas ilhas, você verá muita gente portando guirlandas de flores e folhas de uma planta do local.
            Quando cheguei à igreja na primeira noite, duas preciosas meninas (filhas do pastor) trouxeram-me com muito orgulho uma guirlanda de flores cada uma, que elas mesmas tinham feito. Cada uma delas colocou a sua guirlanda em torno do meu pescoço em sinal de que eu era bem-vinda à ilha e à igreja. Com satisfação recebi aqueles presentes delas, uma vez que gosto demais de flo­res, e pensei que dar uma guirlanda era um belo costume.
            Entretanto, aquela noite foi uma das piores por que passei! Fiquei toda confusa, sumiam os pensamentos da minha mente, e eu não conseguia juntar duas sentenças que fizessem sentido. Por fim, totalmente vencida e humilhada, tive que parar de falar. Per­cebi que eu estava sob um forte ataque demoníaco, mas não podia entender por que não conseguia repreender os demônios que me atacavam com tanta eficácia.
            Mais tarde, naquela noite, enquanto andava de um lado paru outro no meu quarto, chorando e buscando no Senhor a razão da minha derrota, o Espírito Santo ordenou-me que na manhã seguiu te fosse à biblioteca pública central de Honolulu e fizesse uma pesquisa dos costumes daquele arquipélago, de seus deuses e, em especial, da guirlanda de flores.
            Depois, então, quando estudei a história local, fiquei horrorizada  ao descobrir que o costume de usar aquelas guirlandas provinha diretamente da adoração às divindades demoníacas daquelas ilhas. O povo nativo das ilhas fazia guirlandas e as colocava em torno das estátuas dos seus deuses para apaziguá-los, na esperança de evitar que eles requeressem sacrifícios humanos.
            Eles também portavam as guirlandas como um símbolo de honra e reverência a seus deuses, de forma a manter um bom relacionamento com eles - para assegurar boa sorte, em outras palavras.
            As guirlandas são colocadas no pescoço dos visi­tantes que chegam no arquipélago com o mesmo propósito. De fato, os deuses das ilhas havaianas são tão poderosos que até mesmo nos dias de hoje, de toda a tecnologia moderna, nenhum edifício é construído naquelas ilhas sem que primeiro tragam um feiticeiro nativo até o lo­cal da construção em busca da aprovação e bênção dos deuses em relação ao projeto.
            Parte dos costumes daquelas ilhas é o uso da planta local com que são feitas as guirlandas, a qual é tida como a preferida dos deuses. Quase toda casa e edifício no Havaí tem essa planta em cada um dos lados da entrada principal.
            Isso objetiva assegurar a boa vontade permanente dos deuses para com os ocupantes do edi­fício. Muitas pessoas nas ilhas, inclusive cristãs, usam guirlandas feitas com a folhagem dessa planta quase que o tempo todo. É para proteção e para assegurar a boa vontade dos deuses. Bebês com freqüência são totalmente esfregados com as folhas dessa planta logo após o nascimento, para garantir que a sua vida tenha o favor dos deuses da ilha.
            Sem querer eu havia dado honras às divindades demoníacas das Ilhas do Havaí ao aceitar aquelas guirlandas em meu pescoço! Isso fez com que eu ficasse sob uma maldição, e deu àqueles espí­ritos demoníacos o direito legal de me atacarem. Não é de se admi­rar, portanto, que eu tenha sido incapaz de repelir os seus ataques!
            Somente depois de ter me arrependido desse meu pecado e de ter quebrado a maldição que ele tinha trazido à minha vida foi que pude ensinar e ministrar sem a interferência de demônios.
            Quando comecei a ensinar os princípios que tinha aprendido com respeito à história das ilhas havaianas, alguns cristãos ficaram muito bravos e acusaram-me de tentar tirar a herança cultural deles.
            Meu querido irmão ou irmã, temos que entender que muitas vezes uma herança terrena envolve alguma forma de culto a demônios. Quando aceitamos Jesus Cristo como Senhor e Salva­dor, renunciamos a toda essa herança para nos tornarmos cidadãos de um reino diferente e nos tornarmos co-herdeiros com Cristo. Por que, então, é assim tão difícil para nós abrir mão da nossa he­rança terrena? É por causa das maldições e dos laços demoníacos, que nos prendem, trazidos pela herança à nossa vida.
Texto extraido do capítulo 5 do livro de 
Rebecca Brown e Daniel Yoder
MALDIÇÕES NÃO QUEBRADAS