Estudo sobre piercing

Vivemos um tempo em que há uma série de novidades e de novos hábitos e costumes que estão sendo impostos a toda hora pelo contato de culturas, pela mídia, pelos famosos.
Diante de tantas inovações, é natural que as pessoas que estão no mundo, mas que do mundo não são (Jo.17:16), ou seja, os que estão servindo a Jesus, fiquem atônitos e duvidosos sobre qual comportamento devem tomar para que prossigam agradando ao seu Senhor.
Uma destas novidades tem sido o uso de piercing, o que tem se disseminado, notadamente entre os adolescentes, trazendo uma série de indagações e de questionamentos entre a juventude da Igreja: seria este um hábito adequado e apropriado para o jovem que tem compromisso com Deus ? Faria alguma diferença do ponto-de-vista espiritual o seu uso ou não ?
Embora esteja sendo utilizada há pouco tempo entre nós, a verdade é que o uso do piercing é bem antigo, sendo originário da Índia, onde está relacionada com a religião hinduísta, com seus milhares de deuses.
O piercing, para os hindus, é um objeto segundo o qual a pessoa dedica parte do seu corpo a uma determinada divindade, como que uma permissão de entrada e de domí­nio por parte da divindade desta parte do organismo.
Portanto,a colocação de um piercing está vinculada a esta idéia de contacto espiritual com uma divindade, a uma abertura a uma determinada divindade.
É interessante observar que a palavra to pierce/piercing é da língua inglesa e quer dizer aquilo que penetra, que fura, que abre um buraco em alguma coisa. Assim, até mesmo a denominação deste objeto em inglês dá-nos a idéia de abertura, de retirada de obstáculo, de estabelecimento de uma comunicação, de um contacto.
Como o uso do piercing foi lançado e se disseminou entre artistas e grupos de cultura alternativa, pessoas que são confessadamente admiradoras ou vinculadas à  cultura oriental, a principal fonte de inspiração para tais movimentos, notadamente a cultura indiana (que o digam os hippies e os primeiros conjuntos musicais de rock e assemelhados a partir da década de 1950), vemos que o uso do piercing entre os lançadores desta moda possui esta concepção hinduísta.
Por conseguinte, nota-se que o uso do piercing remete à  idolatria e ao politeísmo,ou seja, é um comportamento diametralmente contrário aos princípios bíblicos.De pronto, portanto, como sabemos que de uma fonte amarga jamais poderá surgir água doce e cristalina (Is.5:20; Tg.3:11,12), vemos que se trata de um uso que não deve ser adotado por quem tem compromisso em servir a Deus e a adotar as Escrituras como única regra de fé e prática.
 
Alguém poderá dizer, no entanto, que o fato de o piercing ter sido utilizado, primitivamente, para a idolatria, entre os indianos, ou mesmo entre seus admiradores, que o introduziram no mundo ocidental, não pode, em absoluto,levar à conclusão de que os seus atuais usuários o estejam fazendo com este intuito e que, ao afirmarmos que este uso contraria a Palavra de Deus, estarí­amos radicalizando. Sem dúvida, não negamos que estamos radicalizando, mas não no sentido de que estaríamos impondo um mandamento humano, de que estaríamos sendo extremistas ou maliciosos, ou ainda, presos a antiquados costumes ou práticas, mas, no significado primeiro desta palavra, que é o de ir até às raízes de uma determinada conduta, para descobrirmos a sua origem, a sua finalidade, o seu propósito.
Como dissemos, esta moda foi lançada por artistas e grupos de cultura alternativa,movimentos que têm abraçado filosofias hinduístas e suas concepções em todas as suas faces, inclusive (e principalmente), as espirituais.
Os demais usuários estão, certamente, apenas imitando estas pessoas, copiando-as, sem ter consciência do real significado destas práticas. Mas, que significa imitar ?
Imitar, dizem os dicionários, é reproduzir ou procurar reproduzir, é assemelhar-se, é assimilar, ou seja, quem está imitando alguém está buscando repetir o que alguém está fazendo, passar adiante uma determinada prática, com todas as suas características e sentidos. É assimilar, ou seja, dizer que está de acordo com aquilo que está sendo copiado, repetido, imitado.
Quem imita algo ou alguém está, em primeiro lugar, dizendo que está de acordo com aquilo que está sendo imitado, que concorda com aquilo. Ainda que não tenha consciência de tudo aquilo que está sendo reproduzido, o imitador está dando a sua anuência, está concordando e dando o seu aval a tudo aquilo que está sendo reproduzido, sem qualquer discussão.
É por isso que Paulo afirmou aos coríntios que fossem seus imitadores, porque ele o era de Cristo (I Co.11:1). Ao se dizer imitador de Jesus, Paulo estava afirmando que estava reproduzindo o mesmo estilo de vida de Cristo, Suas mesmas reações, Seu próprio comportamento, ainda que não tivesse consciência de todo o significado de tais gestos, mas, ao imitar o Mestre amado, Paulo afirmava que concordava com tudo o que o Senhor fizera e ensinara.
Pois bem, quando alguém passa a usar o piercing, está fazendo como intuito de copiar, de reproduzir o gesto, as atitudes e as concepções daqueles que introduziram tal moda no Ocidente, pessoas que, como vimos, estão vinculadas à idolatria e a práticas condenadas pela Palavra de Deus.
A idéia hinduí­sta do piercing é de que este objeto representa, como vimos, um contato, uma abertura para a atuação de divindades nas mais variadas áreas da vida humana, cada área representada por uma parte do organismo. É interessante observar que o uso do piercing está tão ligado a estas crenças hinduí­stas, que os locais de colocação dos piercings (lábios, umbigo, nariz, sobrancelhas, entre outros) correspondem, exatamente, aos pontos correspondentes aos chamados chakras (rodas, em sânscrito), que são os centros de energia onde se daria a interação entre o corpo e a mente, de onde se poderia estabelecer o controle sobre a mente e ocorpo de alguém.
Como bem se observa, portanto, o uso de piercings está totalmente vinculado à  colocação do nosso corpo à  disposição destas forças espirituais, destes deuses que, como servos de Deus, sabemos que se tratam de hostes espirituais da maldade, que combatem incessantemente contra o povo de Deus (cfe. Ef.6:12).
Como não há comunhão entre a luz e as trevas ( II Co.6:14) e como o corpo do cristão é templo do Espírito Santo ( I Co.6:19), naturalmente que, se alguém está emCristo, anda na luz (I Jo.1:7) e pratica a verdade e o próprio Jesus disse que tais pessoas vêm para a luz (Jo.3:21), de forma que alguém que seja, efetivamente, um servo do Senhor, não estará colocando seu corpo à disposição de quem quer que seja, a não ser o Espí­rito Santo de Deus.
Mas,se não fossem por estes argumentos, que já entendemos ser suficientes para que se demonstre a incompatibilidade entre o uso do piercing e uma vida sincera e autêntica diante do Senhor, temos, ainda, o testemunho dos próprios homens a respeito do tema.
O uso do piercing está relacionado com o exibicionismo corporal, ou seja,a utilização do piercing, dizem os seus próprios usuários, tem como objetivo fazer uma exaltação do corpo, favorecer a sua exibição, inclusive com finalidades de atração física, freqüentemente relacionadas ao erotismo.
Ora,toda e qualquer atitude que tenha por objeto fazer com que o corpo seja um instrumento de lascí­via, de sensualismo, é totalmente contrário ao propósito bíblico do corpo como instrumento de santificação (I Ts.5:23). A Bí­blia é expressa ao afirmar que nosso corpo não é um meio de favorecimento da impureza sexual (I Co.6:13,18).
Observemos, por importante, que não somos nós que estamos dando uma conotação maldosa ao uso do piercing, mas são seus próprios usuários que dão este significado para a prática.
Tanto assim é que alguns dos locais de maior utilização de piercing tem sido o umbigo, as genitálias e a gengiva, locais que levam a uma exibição corporal e a uma conotação erótica evidente (alguém poderá perguntar que tem a ver a gengiva com esta conotação sensual. Segundo os hindus, a gengiva é um centro de energia , um piercing ligado diretamente à  libido).
O uso do piercing também, segundo especialistas, está relacionado com uma atitude de agressividade e de revolta. O objeto tem tido uma conotação de independência frente ao núcleo familiar e aos pais, uma identificação com a turma, uma demonstração de rebeldia e de auto-suficiência.
Desnecessário seria afirmar que todos estes sentimentos são contrários à  sã doutrina. Jesus, enquanto jovem e adolescente, em tudo foi sujeito a sua mãe e a seu pai social(Lc.2:51), crescendo em sabedoria, em estatura e em graça para com Deus e com os homens (Lc.2:52), sendo, sobretudo, obediente a Deus em tudo, mesmo que isto significasse a morte de cruz (Fp.2:8; Jo.17:4).

Devemos ser mansos e humildes de coração, como foi nosso Senhor (Mt.11:29), procurando, sempre, ser dependentes de Deus, pedindo a Ele que sempre a Sua vontade seja realizada em nossas vidas (Mt.6:10), conscientes de que, sem Ele, nada poderemos fazer (Jo.15:5).
Mais ainda! Usar piercing é símbolo de insubmissão a pais e mães. Ora,como bem lembrou o apóstolo Paulo, o único mandamento com promessa do decálogo mosaico é, exatamente, o que determina a obediência aos pais (Ef.6:2). Assim, tem-se uma atitude de explí­cito desafio a um princí­pio ético elementar estabelecido por Deus.
Se usar piercing é transmitir aos outros idéias totalmente adversas às reveladas por Deus em Sua Palavra, nunca poderemos usar o nosso corpo como propaganda para algo que é totalmente contrário ao que cremos.
Por fim, alguns vêem no piercing uma tentativa de realce da marginalidade, ou seja, uma demonstração de desejo de uma vida alternativa, marginal, contrária à  ordem estabelecida, que nada mais é do que um sentimento de revolta, é querer dizer que está contra tudo que está aí­, pensamento que perpetua os movimentos de cultura alternativa ou de contra-cultura, surgidos a partir da década de 1950 no Ocidente.
Não há quem se sinta descontente com a injustiça e a iniqüidade que grassa este mundo, mundo que aborrece o crente (Jo.15:18,19).
Entretanto, estes movimentos que se dizem contrários a este mundo, dizem ser contrários a este mundo, mas seguem o seu curso, desobedecendo a Deus e mantendo a prática da iniqüidade, que é a razão de ser de todos os males que denunciam.
Deste modo, querem se manter marginalizados do mundo, mas, na verdade, mantêm-se distantes e marginais de Deus, a quem, loucamente, atribuem as mazelas que resultam do pecado, que por eles não é deixado, mas adotado e praticado em meio a seu discurso revolucionário. São pessoas que estão cegas pelo deus deste século e que se mantêm afastados de Deus (Ef.2:2,3; II Co.4:4).
Ao invés de usarmos piercing e defender uma marginalização de Deus com esta prática, busquemos pregar Jesus, a verdade que liberta do pecado (Jo.8:32-36), vivendo em comunhão com o Senhor, sendo luz do mundo e sal da terra, para que, através das nossas boas obras, os homens glorifiquem a Deus que está nos céus (Mt.5:13-16) e, pelo sangue de Cristo, derrubar toda e qualquer parede de separação entre Deus e os homens (Ef.2:16).
Diante de todos estes argumentos e fatos, podemos concluir que não há qualquer compatibilidade entre o uso de piercing e a nossa vida cristã.