HORÓSCOPO - A ORIGEM DA ASTROLOGIA E A BÍBLIA



Ferramenta - Combatendo Seitas e Heresias II
A astrologia é um ramo do esoterismo oculto junto à alquimia e à magia. É tida como a arte de predizer o futuro pela posição dos corpos celestes. Sua origem passa pela Babilônia, Grécia, Índia e China. Há registros de horóscopos traçados na Grécia já em 2154 a.C. Apesar de ser antiga, Deus a rejeita. Veja por que:

1. A astrologia induz as pessoas a consultarem objetos mortos, como astros e planetas, em lugar do Deus vivo. Por isso, ela traz iminente juízo de Deus sobre aquele que a consulta. (At 7:42-43).

2. Os que praticam a astrologia "serão como restolho, o fogo os queimará". Terão um triste fim (Is 47:13-14; Jr 8:2).

3. Por ser uma espécie de culto (Dt 4:19) e uma clara prática de adivinhação, ela cria vínculos com o ocultismo e atrai demônios à vida daqueles que a praticam (leia At 16:16-18, I Cor 10:20).


O MAPA ASTRAL, O ZODÍACO E OS SIGNOS

O mapa astral é definido como a leitura da suposta influência que os astros têm sobre nós, a partir do nascimento, conforme o signo (áries, touro, etc.). Os signos são doze divisões feitas em constelações que integram um cinturão imaginário de nome zodíaco. Deus abomina a astrologia (Dt 17:2-5, Jr 14:14 e Tg 4:14).


QUAL É O SEU SIGNO?

Há pessoas que não saem de casa sem ler o horóscopo (Ec 8:6-9). Mal sabem que os signos são ilusórios. Envolvem três enganos:

1. O signo trata de pura especulação

São doze signos para 6 bilhões de pessoas. Como uma previsão se cumprirá para tantos ao mesmo tempo? Se o signo diz: "sorte no amor", como fica quem é traído, se divorcia neste dia?

2. O signo lida com manipulação psicológica

Quem lê o signo é induzido a incluir-se na previsão (Cl 2:8)

3. O signo nega o livre-arbítrio do homem e o amor de Deus

Tira a responsabilidade do homem. O horóscopo é quem toma as decisões. Biblicamente, porém, não há destino. Respondemos por nossas escolhes. Se você aceitar uma previsão irreversível, negará a intervenção de Deus. É puro fatalismo imoral! (Dt 30:19 e Zc 10:2).


OS ERROS DA ASTROLOGIA

Deus deseja o melhor para nós. O simples uso do bom senso desmascara o engano da astrologia. Analise bem:

1. A astrologia está errada em relação à posição dos astros

Ela foi organizada a partir do conceito ptolomaico do universo (Ptolomeu 90-168 d.C). Acreditava-se que o Sol girava em torno da Terra. Eram conhecidos cinco planetas apenas, formando sete com o Sol e a Lua. Mas, a partir de Galileu Galilei (1564-1642) constatou-se a existência dos demais planetas. A Lua, por sua vez, não passa de um satélite. Como acreditar, portanto, na astrologia, já que a sua origem fundamenta-se neste equívoco? (Zc 10:2). Veja em Jo 8:44 quem é o responsável por doutrinas mentirosas.

2. A astrologia está errada em relação à posição espacial da Terra

A Terra está inclinando-se sobre seu equinócio, assim como o Sol, por causa da precessão dos equinócios. Ela se move uns 50 segundos por ano, mudando deste modo sua posição em relação aos demais astros. Com efeito, desde a criação da astrologia temos dois meses a menos. Pense: como as constelações, os signos, podem influenciar nossas vidas se eles nem estão mais lá? (Jr 8:2)

3. A astrologia está errada em sua concepção de universo

Ela faz cálculos acreditando que os astros estão eqüidistantes uns dos outros. Contudo, o céu que vemos não se trata de um teto. Ele é infinito. Analise: a Lua dista cerca de 386.000 km da Terra e as estrelas cerca de 6.000 anos luz ou mais de distância (mais de 8,9 trilhões de km, acima de 56 quadrilhões de km; uma cifra tão elevada que excede a nossa compreensão). Conclusão: as previsões não passam de fantasias tolas e imaginárias (Jr 14:13-16).

4. A astrologia está errada sobre o futuro

O futuro a Deus pertence! Então, qual é a lógica das previsões? Tome o Cruzeiro do Sul como exemplo. Ele se apresenta como cinco estrelas formando uma cruz. No entanto, uma está mais aprofundada no espaço que a outra. Significa que se elas forem vistas fora da Terra ou de outro ângulo, a figura deixará de existir. Logo, as constelações que designam os signos não passam de pura invenção ou ilusão de ótica (Ez 13:6-8 e Am 5:26-27).
                                                                                                                     Fabbioanjos